A nova BNCC: quais as novas diretrizes da educação infantil?

29 out
0 comentário(s)

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é o documento que define as competências essenciais a serem desenvolvidas pelos alunos na educação infantil. A nova BNCC foi votada em dezembro de 2017 e as escolas têm até 2020 para adotarem as medidas.

A equipe da Aprendiz, após ler e analisar cuidadosamente o novo documento, concluiu que não será preciso se adaptar, pois já estamos alinhados com as novas orientações há 18 anos. Nosso projeto é, e sempre foi, participar e contribuir na formação humana integral dos alunos.

Para você entender melhor como isso funciona, destacamos no post de hoje os principais pontos da nova BNCC, que aqui na nossa escola já são realidades. Confira!

Os 6 direitos de aprendizagem da criança

O documento reconhece a Educação Infantil como etapa fundamental e coloca a criança como protagonista no processo de aprendizagem.

Assim, as atividades do ensino infantil ganham uma nova abordagem e as creches precisam se adequar a essa dinâmica. A brincadeira é transformada em momento exploratório e deve ser considerada uma forma de viabilizar o aprendizado lúdico.

Além disso, tarefas rotineiras, como as refeições, devem ser vistas como oportunidades para reforçar o afeto e a relação entre educadores e crianças.

Dessa forma, ficam estabelecidos os direitos de aprendizagem para bebês e crianças, de 0 a 5 anos:

  • conviver;
  • brincar;
  • participar;
  • explorar;
  • expressar;
  • conhecer-se.

Para que sejam contemplados, os professores, educadores e cuidadores devem propor experiências que estejam alinhadas com os aspectos fundamentais nesse processo.

Os 5 campos de experiência

Eles indicam quais experiências são fundamentais para o aprendizado e desenvolvimento infantil. Os cinco campos estabelecidos destacam habilidades, atitudes, noções, afetos e valores que devem ser trabalhados nessa etapa, de maneira a garantir os direitos de aprendizagem já mencionados.

  • Eu, o outro e o nós;
  • Corpo, gestos e movimentos;
  • Traços, sons, cores e formas;
  • Escuta, fala, pensamento e imaginação;
  • Espaço, tempo, quantidades, relações e transformações.

Dentro de cada campo, há objetivos de aprendizagem de acordo com três faixas etárias – bebês, crianças bem pequenas e crianças pequenas. Embora não tenham caráter de currículo, eles servem para apoiar o educador no planejamento das atividades para cada fase.

Os conceitos essenciais

É durante a educação infantil que a criança constrói noções de identidade e subjetividade, com o apoio do educador. Dessa forma, o papel do professor na condução das atividades e tarefas de rotina é determinante na aprendizagem.

A criança necessita de tempo e espaço para se expressar e o professor deve ter o olhar para as reações de cada um e para a maneira particular com que se apropriam do conhecimento e das novas experiências.

Dessa forma, vale ressaltar alguns pontos:

  • cuidar e educar, duas faces de uma única e integrada experiência;
  • formação de vínculo, proporcionando segurança afetiva;
  • incentivo à autonomia, permitindo a criança enfrentar e superar obstáculos;
  • centralidade da criança, com respeito ao ritmo de cada um, independente da idade;
  • escuta ativa, em que o professor alterna momentos como observador e atividades dirigidas;
  • organização do tempo por meio de uma rotina que favoreça a autonomia e promova a sensação de segurança.

Como vimos, a nova orientação traz diretrizes alinhadas à proposta educacional da Aprendiz, como a importância do livre brincar, do olhar único para cada criança, da integração do cuidar e do educar, dos momentos de convivência em grandes grupos incluindo outras faixas etárias, dentre outras.

Se você quer conhecer um pouco mais sobre a nossa proposta pedagógica, entre em contato conosco e faça uma visita.

Deixe seu comentário